"Ausência total, total, de bom senso." É assim que Manuela Ferreira Leite olha para a polémica que envolve a ex-ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque. A antiga governante do Executivo PSD/CDS-PP vai ser administradora não executiva da Arrow Global, uma empresa londrina gestora de dívida ligada ao Banif.

No programa Política Mesmo da TVI24, esta quinta-feira, Ferreira Leite sublinhou que a ex-ministra tutelou uma instituição financeira que teve ligações com essa empresa e ligações que foram "prejudiciais para o país". Por isso, "qualquer bocadinho de bom senso levaria a que ela não aceitasse" o convite, atirou. 

"Tenho poucas dúvidas de que a ex-ministra não conheça a legislação, mas mesmo que não houvesse legislação sobre esta matéria qualquer bocadinho de bom senso levaria a que ela não aceitasse. Ela tutelou, no mínimo tutelou, a instituição financeira que teve ligações com essa empresa e ligações prejudicais para o país. Teve ligações diretas como ministra das Finanças e não saiu há quatro anos de ministra das Finanças, saiu há 3 meses" 

A comentadora não acredita "que haja alguma comissão de ética na Assembleia que vá aprovar uma coisa destas".

Ferreira Leite admite que tenha havido algum aproveitamento político sobre esta matéria, mas questionou: "o que é que ela esperava?". Para a comentadora, a antiga ministra de Pedro Passos Coelho "pôs-se mais do que a jeito".

"Pôs-se mais do que a jeito. Pôs-se defronte deles a dizer 'agora deem-me lá pancada porque estão cheios de razão'. Não quero atribuir-lhe outra qualificação a não ser a ausência total, total, de bom senso ao aceitar um cargo desta natureza."