Marcelo Rebelo de Sousa afirmou este domingo no Jornal das 8 que não concorda com a medida do Governo que visa a criação de uma base de dados de pedófilos, que poderá ser consultada pelos pais, mediante uma suspeita em concreto.

«A mim repugna-me que qualquer pessoa tenha acesso a isso sem decisão do tribunal. Eu percebo a ideia das pessoas, mas num estado de Direito os tribunais têm um papel a desempenhar.»


Quanto às presidenciais o comentador da TVI afirmou que «até ao lavar dos cestos é vindima», sugerindo que ainda é cedo para tirar conclusões sobre esta matéria. Marcelo referiu-se aos resultados de uma sondagem da Aximage que coloca na frente Rui Rio com 40,2% das intenções de voto e o próprio Marcelo Rebelo de Sousa com 39,7%.

O Professor não se mostrou surpreendido com o destaque do ex-Presidente da Câmara do Porto, afirmando que no domínio da política passa-se «de bestial a besta e de besta a bestial» em pouco tempo. «A lógica é esperar por outubro», defendeu Marcelo.

Marcelo Rebelo de Sousa teceu duras críticas a António Costa e classificou a entrevista do secretário-geral do PS À RTP como «frustrante».

«Aquela entrevista foi um bocado frustrante. Numa semana que até não lhe correu mal.»

E em relação ao anúncio feito pelo líder socialista de que o PS iria apresentar o seu programa de Governo a 6 de junho, Marcelo Rebelo de Sousa considera que a marcação de um prazo «não tem qualquer sentido».

«Para que é que ele [António Costa] vai marcar um prazo? É no dia 6 de junho que tem uma revelação e é iluminado? Não faz sentido. (...) António Costa tem é de mostrar as suas posições em relação à políticas económica e financeira no dia-a-dia e aí não abre o jogo.»


Já em relação à proposta apresentada pelos socialistas que visa a nomeação do Governador do Banco de Portugal por decreto do Presidente da República, Marcelo considera que esta é uma ideia boa, pelo menos em teoria.

«Em teoria é uma boa proposta. Esta ideia de não depender do Governo faz sentido. O Banco de Portugal é uma entidade reguladora particularmente importante e a ideia é haver pelo menos uma audição no parlamento. [...] A solução que temos de depender só do Governo não existe nos países mais relevantes da Europa.»

O comentador analisou ainda o debate quinzenal e não poupou nas críticas a Ferro Rodrigues, considerando que o socialista é «francamente mau» como líder parlamentar.

«O líder parlamentar do PS é francamente mau, é um homem de gabinete, não tem jeitinho nenhum, tem jeito para outras coisas, é preciso ter dotes.»