Manuela Ferreira Leite diz estar “absolutamente perplexa” com a discussão pública e diária não da situação estrutural da Caixa Geral de Depósitos mas do que entende ser “um problema entre duas pessoas”, referindo-se ao ministro das Finanças Mário Centeno e ao ex-presidente da CGD, António Domingues.

Ainda não percebi se querem, desculpem a expressão, dar cabo da Caixa de vez ou se não estão interessados em colaborar na recuperação da Caixa Geral de Depósitos. Cada um dos cenários é absolutamente inaceitável. É absolutamente inaceitável, porque estamos a discutir tricas. Eu quero cá saber o que foram os emails trocados entre o ministro das Finanças e o presidente da Caixa, que já não é presidente da Caixa, porque se ainda fosse talvez ainda percebesse que houvesse algum interesse em esclarecer quem era a pessoa que estava à frente da Caixa. Mas o senhor já se foi embora, ele já desapareceu da circulação da Caixa, nós já não temos nada a ver com ele, já temos outra administração nomeada e em funções”, afirmou a comentadora da TVI24, nesta quinta-feira, no seu espaço semanal na 21.ª Hora.

Para a antiga ministra social-democrata, os deputados deviam estar mais preocupados com os problemas dos portugueses, porque, no seu entender, a polémica dos emails “é um problema político”.

Eu calculo que os deputados estão preocupados com os problemas dos portugueses e isto não é um problema dos portugueses, é um problema político. E, portanto, é verdadeiramente inaceitável que se continue a falar todos os dias da Caixa e que a nossa colaboração para que a Caixa siga o seu rumo tranquilo é esta que estamos a ver, com conferências de imprensa, chamadas à comissão de inquérito, parece que está tudo no maior dos turbilhões com pessoas que já lá não estão e quase não aqueceram o lugar.”

Manuela Ferreira Leite não quer, por isso, acreditar em segundas intenções com esta polémica permanente.

Todos os dias se ouve falar do ministro das Finanças e de uma pessoa que foi administradora da Caixa, o que é algo de insuscetível de ser aceite sem se pensar que não haja qualquer outra intenção por trás disto. Porque eu faço a justiça de pensar que os deputados da Assembleia da República estão preocupados com o país, com os problemas das pessoas e não estão seguramente convencidos de que o grande problema das pessoas são os emails trocados entre o ministro das Finanças e uma pessoa que já não tem nada a ver connosco.”

A social-democrata defende que, neste caso, o silêncio “é um bom contributo para deixar os outros trabalhar”.

Se havíamos de estar todos juntos a colaborar para a recuperação da Caixa, não largamos a Caixa todos os dias dos meios de comunicação social, invocando, humilhando, desgastando a imagem da instituição”, criticou.

Para Manuela Ferreira Leite, a oposição tem também o objetivo de forçar a demissão de Mário Centeno.

Admito que discutam tudo e mais alguma coisa, mas não todos os dias e em conferências de imprensa, publicamente, numa discussão que parece ser algo de muito fundamental e estrutural da Caixa e não é. É um problema entre duas pessoas, sendo que uma já lá não está e a outra é ministro e a oposição quer que se vá embora. Um já se foi embora, já se conseguiu, o outro ainda lá está.”