Constança Cunha e Sá criticou o «passa culpas» entre associações de estudantes e universidades sobre as praxes.

«A praxe, em si mesmo, é um exercício de violência e portanto proporciona excessos», criticou.