A comentadora da TVI24, Constança Cunha e Sá, elogia a atuação de Angela Merkel na questão da vaga de migração que tem assolado a Europa. Constança Cunha e Sá diz que a líder alemã, “além de falar, tem atuado”.
 
Na rubrica “Sobe e desce” da 21ª Hora da TVI24, Constança Cunha e Sá criticou, esta segunda-feira, por outro lado, o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, por causa da solução encontrada para o caso BES e da atuação no negócio da venda do Novo Banco.
 
A subir: Angela Merkel
 
“Angela Merkel e o Governo alemão têm tido uma posição exemplar, em relação aos outros líderes europeus, no que toca à vaga de migração que se tem abatido sobre a Europa. (…) Não só o Governo alemão foi o único que se predispôs a acolher 800 mil refugiados, como Angela Merkel considera, ao contrário do que considerou, por exemplo, Durão Barroso que é necessária uma solução comum da União Europeia.”
 

“No fundo toda a europa está a fechar os olhos ao que se passa na Hungria, ao que se está a passar na Inglaterra ou ao que se pode vir a passar em França.”

 
A descer: Governador do Banco de Portugal 
 
“Podia pôr o Governo, mas como o Governo se escondeu sempre atrás de Carlos Costa e Carlos Costa deixou sempre que o Governo se escondesse atrás dele, vou por Carlos Costa a descer. (…) Faz agora um ano que o Governo e Carlos costa nos diziam que os contribuintes não iam pagar um cêntimo pela solução encontrada para o BES.  Um ano depois fala-se de um prejuízo de dois mil milhões de euros.”
 

“A opacidade aqui é regra. Houve uma opacidade tremenda na história da resolução (…) e um ano depois continuamos com a mesma opacidade.”

 
“Já deu para perceber que este dinheiro que foi injetado no Novo Banco (3 mil e 900 milhões de euros do Fundo de Resolução) é evidente que vai ser pago pelos contribuintes.”