Constança Cunha e Sá criticou, esta sexta-feira, as declarações do Presidente da República que, num roteiro de visitas a empresas, afirmou não perceber porque se tentam esconder as previsões positivas de crescimento e que não são as polémicas político-partidárias que criam emprego. Na TVI24, a comentadora defendeu que Aníbal Cavaco Silva tem uma visão «perfeitamente míope» do que é a política e está «completamente partidarizado».

«Começo a achar lamentável a atuação do Presidente da República. Estamos em ano eleitoral, havia um mínimo dever de isenção e eu acho que o Presidente da República perdeu todo o pudor. Neste momento, não tem pudor absolutamente nenhum», referiu a jornalista, no espaço de análise nas «Notícias às 21:00».


Constança Cunha e Sá gostava que Cavaco Silva dissesse a quem é que se referia: «Quem é que fica incomodado com as notícias positivas sobre a economia portuguesa? Quem é que tenta abafar? São os políticos da oposição? São os jornalistas que tentam abafar? De quem é que ele está a falar?».

Para a comentadora, as declarações do chefe de Estado são «perfeitamente escandalosas», principalmente quando o país está a sete meses de uma eleição. Constança Cunha e Sá sublinhou também a «desvalorização permanente do debate político», que o Presidente da República vê como «intriga».

«Eu penso que isto é mau demais para ser verdade. (…) Nunca pensei que um Presidente da República pudesse acabar um mandato assim. Isto é não perceber que existe uma democracia em Portugal, é não perceber que o debate político é uma coisa saudável, que é normal que haja um debate político (…) É uma visão perfeitamente míope do que é a política, e é uma visão de quem não percebe como é que funciona a democracia», rematou.