Constança Cunha e Sá considera que a decisão do ex-primeiro-ministro José Sócrates, que recusou, esta segunda-feira, a prisão domiciliária com pulseira eletrónica, é um “braço-de-ferro” que vai ter “implicações políticas”, nomeadamente afetar a visibilidade de António Costa a poucos meses das legislativas.

“É evidente que isto é uma questão politica. Sócrates vai estar no centro das atenções e a visibilidade de António Costa vai ser diluída.”


A comentadora da TVI afirmou, no Jornal das 8, que esta decisão também vai pressionar a opinião pública, uma vez que se trata de um caso muito raro: um preso recusar sair da cadeia.

“O braço-de-ferro ganha agora outra dimensão e vai pressionar a opinião publica porque a opinião pública vai ficar pasmada com isto.


Um “braço-de-ferro” que, na opinião da comentadora, representa um ataque ao sistema judicial, que pretende uma autovitimização.

"Acho que José Sócrates quer auto-vitimizar-se, mostrar que está a ser uma vítima do sistema judicial e está disposto ao martírio."