O líder parlamentar comunista vincou, esta quarta-feira, a «natureza destruidora» das políticas seguidas pelo Governo da maioria PSD/CDS-PP para a economia portuguesa, ao comentar novos dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) sobre desemprego.

«Na diferença entre postos de trabalho criados e aqueles que foram destruídos, há uma destruição de 121 mil postos de trabalho, com particular destaque para a agricultura e a indústria transformadora, o que revela aquilo que é a natureza destruidora da economia nacional destas políticas do Governo», disse João Oliveira, nos Passos Perdidos do Parlamento.

A taxa de desemprego em Portugal foi de 15,3% no quarto trimestre do ano passado, 0,3 pontos percentuais abaixo do trimestre anterior e menos 1,6 pontos que no mesmo período de 2012, segundo o INE.

«Apesar de todas as tentativas do Governo de manipular as estatísticas, da emigração de mais de 100 mil pessoas em 2013, tivemos um agravamento na taxa de desemprego anual - de 15,7% para 16,3%», declarou o deputado do PCP.

O INE informou hoje que, entre outubro e dezembro, a população desempregada foi de 826,7 mil pessoas, o que representa uma diminuição homóloga de 10,5% e uma diminuição trimestral de 1,4% (menos 96,5 mil e menos 11,9 mil pessoas, respetivamente).

Já a população empregada foi de 4,56 milhões de pessoas, o que traduz um aumento homólogo de 0,7% e a um aumento trimestral de 0,2% (mais 29,7 mil e mais 7,9 mil pessoas, respetivamente).

«Se considerarmos aqueles portugueses efetivamente desempregados, mas que não são considerados no imediato nessas estatísticas, aquilo que verificamos é uma taxa de desemprego de 24%», concluiu João Oliveira, lamentando «mais de um milhão e 400 mil portugueses desempregados».

O Bloco de Esquerda (BE) reconheceu que existe uma melhoria na taxa de desemprego em Portugal, mas alerta para a «propaganda» do Governo sobre a matéria e diz que os números «iludem a realidade».

«Não nos deixamos iludir nem enganar pela propaganda que o Governo faz com esses números. Reconhecemos que são melhores esses do que se fossem em sinal contrário, mas não deixamos de dizer que esses números escondem que o emprego está a crescer menos do que o desemprego está a cair», disse o coordenador do partido João Semedo à agência Lusa, à margem de uma reunião com a administração do hospital Amadora-Sintra.

A evolução dos números, alertou Semedo, «é tão positiva como é tão preocupante ainda o elevadíssimo número de desempregados em Portugal», mais a mais quando «tendencialmente esses cidadãos desempregados são de longa duração e será cada vez mais difícil encontrarem um emprego».

«Os números iludem a realidade. A criação de emprego cresce três vezes menos do que o desemprego baixa», advertiu ainda o coordenador e parlamentar do Bloco.