Traz revelações uma carta escrita pelo rapper Tupac Shakur, falecido em 1996, divulgada ao público esta semana, pelo site TZM. Afinal, o cantor acabou a relação com Madonna por questões raciais.   

A carta, datada de 15 de janeiro de 1995, foi redigida na prisão, em Nova Iorque, quando Tupac cumpria uma pena de quatro anos e meio, por agressão sexual.

Para que ti, seres vista com um homem negro não prejudicaria, de modo algum, a tua carreira. Mas, para mim, pelo menos na minha posição anterior, senti que a minha imagem estaria a prejudicar metade das pessoas que me fizeram o que eu pensava ser. Eu nunca quis magoar-te”, escreveu o rapper.

Tupac acrescentou ainda que cresceu “espiritual e mentalmente” enquanto na prisão e que decidiu escrever a carta para o caso de lhe acontecer alguma coisa.

Por favor, entende a minha posição anterior como a de um jovem, com experiência limitada, com uma super famosa sex symbol”, explicou.

De acordo com a carta, que foi enviada antes de Tupac sair da prisão, em outubro de 1995, o cantor sugeriu um encontro, para falarem sobre uma possível amizade.

Ofereço-te a minha amizade, mais uma vez. Mas, desta vez, muito mais forte e focada. Se ainda estiveres interessada, gostava de discutir isto contigo”, escreveu o rapper.

Em setembro de 1996, Tupac foi gravemente ferido, num tiroteio, em Las Vegas. Seis dias depois, acabou por morrer. Tinha 25 anos.

Há dois anos, Madonna confirmou que, em 1994, namorava com o rapper, mas não referiu quanto tempo durou a relação.

Os representantes de Tupac e Madonna ainda não comentaram o assunto.

A carta vai ser leiloada, entre os dias 19 e 28 de julho, pelo site Gotta Have Rock and Roll. O valor inicial é de cerca de 113 mil euros. A última carta escrita pelo rapper, que foi leiloada, atingiu o valor de cerca de 192 mil euros.