«Uma versão metal dos White Stripes» - é isso que James Murphy quer fazer com os fundadores e antigos membros dos Sepultura, Iggor e Max Cavalera. A revelação foi feita pelo próprio baterista brasileiro, que explicou ao jornal «The Guardian» a ideia que o produtor britânico tem para o novo álbum dos dois irmãos.

«O James Murphy abordou-me com a ideia de nos gravar um novo disco, mas acabou por sugerir outras coisas. Para começar, ele só nos quer aos dois em estúdio, como uma versão metal dos White Stripes. E também quer que sejamos só os dois em palco», contou Iggor Cavalera ao diário britânico.

Iggor (bateria) e Max (voz e guitarra) voltaram a tocar juntos em 2007 com a criação de uma nova banda, Cavalera Conspiracy, depois de terem deixado aquela que se tinha tornado na mais famosa e bem sucedida banda de metal do Brasil, os Sepultura.

Os Cavalera Conspiracy contam, desde então, com dois álbuns de estúdio, e são compostos ainda pelo guitarrista Marc Rizzo (Ill Niño, Soulfly) e o baixista Johnny Chow, dois elementos que deverão, desta forma, ficar de fora neste novo capítulo da banda.

«[O James Murphy] pediu-nos, basicamente, para nos livrarmos do resto da banda. (...) Segundo ele, este será o álbum mais pesado das nossas carreiras. Ele prometeu-me isso», acrescentou Iggor.

Este será uma espécie de regresso às raízes dos irmãos Cavalera, que não tocam juntos como uma dupla desde a adolescência, antes da criação dos Sepultura, no final dos anos 1980.

Para além dos Cavalera Conspiracy, Iggor tem um projeto de música eletrónica com a sua mulher, Laima Leyton, intitulado Mixhell. Max Cavelera acaba de lançar o nono álbum dos Soulfly, «Savages».

Após o fim dos LCD Soundsystem, em 2011, James Murphy tem explorado a sua carreira a solo como DJ e produziu os mais recentes discos dos Yeah Yeah Yeahs («Mosquito») e dos Arcade Fire («Reflektor»).