Os espanhóis Delorean foram vítimas de um caso insólito de «sequestro virtual» durante a passagem da sua digressão pelo México.

Segundo o jornal «El País», os músicos foram abordados por um grupo de criminosos, que, alegando estar a protegê-los de um tiroteio no hotel onde estavam hospedados, conseguiram ter acesso aos números de telefone dos seus familiares, ligando-lhes e exigindo-lhes dinheiro pelo resgate da banda.

Tudo aconteceu durante o fim-de-semana, quando os Delorean viajaram até à Cidade do México para participar no festival Mutek. Antes de regressarem aos seus quartos, os músicos receberam uma chamada do suposto corpo de segurança do hotel, alertando-os que corriam perigo por causa de um (falso) tiroteio.

Temendo pela vida, a banda encontrou-se numa outra unidade hoteleira com aqueles que afinal eram criminosos, mas que agiram como se estivessem a tentar proteger os músicos. Pediram-lhes para desligarem todos os telemóveis e para não saírem dos quartos.

Enquanto isso, os criminosos ligaram para os familiares dos quatro espanhóis, dizendo-lhes que estes tinham sido raptados, e exigindo cerca de 300 mil euros pela sua libertação.

A polícia mexicana, em colaboração com as autoridades espanholas, conseguiu localizar a banda e os músicos foram resgatados na terça-feira, devendo regressar a casa esta quarta-feira.

A digressão pelo continente americano, com várias atuações agendadas nos EUA, foi cancelada. Compostos por Ekhi Lopetegi, Guillermo Astrain, Unai Lazcano e Igor Escudero, os Delorean ainda não fizeram qualquer comentário sobre o caso, mas, segundo o «El País», a banda não chegou a passar por perigo real.

O «sequestro virtual» é uma prática cada vez mais comum no México. Em vez de ameaçarem diretamente os «raptados», os criminosos tentam aproveitar-se do desespero dos familiares que temem pela vida dos seus entes queridos.