A lenda do blues, BB King, morreu aos 89 anos, em Las Vegas, nos Estados Unidos, anunciou esta sexta-feira o seu advogado. 

O cantor e guitarrista foi hospitalizado por uns dias, no mês passado, devido a uma crise de diabetes. O músico regressou depois a casa, onde recebeu cuidados paliativos.

Riley B. King nasceu a 16 de setembro de 1925, no Mississipi, nos Estados Unidos, e começou a sua carreira nos anos 40. Recordado por êxitos como  Lucille, Sweet Sixteen, Sweet Little  Angel ou Rock Me Baby, BB King faz parte da história do blues e tem um lugar no Passeio da Fama do Rock and Roll. 

O músico começou por cantar em coros de igrejas e, depois de ter cumprido o serviço militar na Segunda Guerra Mundial, tocou na rua para ganhar dinheiro. Em 1947, foi de boleia até Memphis, no Tennessee, e juntou-se ao primo, o guitarrista de blues Bukka White. De turné em turné, chegou às maiores casas de espectáculos dos Estados Unidos e tornou-se mundialmente famoso.
 
B.B. King inspirou toda uma geração de guitarristas, como Eric Clapton, e ficará sempre ligado às guitarras pretas Gibson, que batizou de Lucille.
 




A revista  Rolling Stone catalogou BB King como o terceiro maior guitarrista de todos os tempos, atrás de Jimi Hendrix e Duane Allman, tendo ganho 15 Grammys no total. 

Na sua autobiografia, “Blues All Around Me”, BB King escreveu sobre o estilo musical que desenvolveu quando este era subvalorizado, em comparação com o rock e o jazz.
 

“Ser um cantor de blues é como ser negro duas vezes. Enquanto o movimento dos direitos civis lutava pelo respeito da comunidade negra, eu senti que estava a lutar pelo respeito do blues.”





O mundo da música (e não só) tem reagido nas redes sociais à morte de BB King com muitos elogios:
 
 

R. I. P. B. B. King. 🌺🌸

A photo posted by snoopdogg (@snoopdogg) on