O fado «humano» e «transparente» de Marco Rodrigues

Fadista lança «EntreTanto», um terceiro disco menos polido e mais próximo do ambiente de uma casa de fados

Por:
/ Carla Castro (imagem)    |   6 de Março de 2013 às 17:39
A mulher, esse ser tão complexo e difícil de entender para tantos homens, é o tema central do novo single de Marco Rodrigues. «Coração, Olha O Que Queres» nasceu de um texto com mais de 500 anos que agora serve para apresentar o terceiro disco do fadista.

«Acho que a mensagem é tão atual: "Não queiras entender as mulheres, aceita-as como elas são, porque elas estão aqui neste pedestal". Isto continua a ser tão atual hoje em dia», disse Marco Rodrigues em entrevista ao TVI24.pt.

O tema alude ainda às raízes minhotas do fadista de 31 anos. Assinando a composição musical de «Coração Olha O Que Queres», Custódio Castelo estabeleceu «um compromisso e uma ligação entre a música tradicional minhota e o fado, uma música urbana». «Funcionou na perfeição», acrescentou Marco.

Entre tantas coisas... nasceu «EntreTanto»

Depois de «Tantas Lisboas», que há três anos incluiu um dueto com Carlos do Carmo, «EntreTanto» é o nome de um disco que surgiu do dia a dia de Marco Rodrigues.

«Entre tantas noites de fado, entre tantas influências de outros fadistas e de outras músicas. Entre tantos feedbacks diários na casa de fados e a forma como o fado chega aos estrangeiros. (...) É uma série de coisas que influenciam a música que fazes», explicou.

Manter equipa de sucesso e explorar novas colaborações

Equilibrando entre os fados tradicionais, os fados clássicos e temas inéditos, Marco abriu as portas a novas colaborações, ao mesmo tempo que construiu um disco assente na base sólida e de sucesso do trabalho anterior.

O músico aplicou a máxima «em equipa que ganha, não se mexe», e voltou a trabalhar com o produtor Tiago Machado (autor, entre outros, de «Ó Gente da Minha Terra» de Mariza) e também com os letristas Tiago Torres da Silva e Inês Pedrosa.

«E depois consigo anexar algumas pessoas de quem eu sou fã e que gostava que estivessem mesmo neste "EntreTanto". A Luísa Sobral, que é um talento inacreditável; a Manuela de Freitas, que é uma das letristas que eu mais considero no fado (...); e tenho a Isabel Noronha, uma colega minha [na Adega Machado], que escreveu uma história do Chiado ao Bairro Alto», recordou o fadista.

«Deixa-me muito contente perceber que as pessoas que estiveram comigo [no disco anterior] voltam a estar neste "EntreTanto", e consigo aqui anexar pessoas de quem eu gosto muito e de quem sou fã.»

«Nós somos humanos, não somos máquinas»

O resultado final é um «EntreTanto» que transporta para o disco o ambiente de uma casa de fados. Marco quis um trabalho «mais transparente» e «mais próximo de quem o ouve». «Quase como se estivéssemos a tocar a uns metros da pessoa», explicou.

«Até então, eu sentia-me bloqueado em conseguir transportar o meu fado ao vivo para um estúdio, que não é o habitat natural do fado. É um desafio e eu fico muito contente por perceber que consegui ultrapassar isso.»

O segredo foi «não tentar limpar e polir de mais o disco»: «Deixar algumas respirações, deixar algumas coisas que são normais para quem está a tocar. Nós somos humanos, não somos máquinas».
Partilhar
FOTOGALERIA:
Marco Rodrigues

Marco Rodrigues EM CIMA: Marco Rodrigues
COMENTÁRIOS

PUB
Governo «desconfortável» com a situação dos professores

Quase 10% dos horários das escolas abrangidas pela bolsa de contratação continuam sem docentes. Ministério da Educação revela que há 250 horários por preencher. «Nós estamos desconfortáveis porque aquele trabalho não deveria ter sido feito e detetou um erro e esse erro é lamentável», admitiu o secretário de Estado