logotipo tvi24

Adele e Rihanna na lista das «pessoas mais influentes»

Revista «Time» escolheu as 100 personalidades capazes de mudar o mundo

Por: Redacção / JCS    |   2012-04-20 12:56

Adele, Rihanna e Raphael Saadiq são os músicos que fazem parte da lista anual da «Time», revista que voltou a nomear as «100 pessoas mais influentes do mundo».

«O sucesso [de Adele] renova a minha fé de que o mundo em que vivo tem bom gosto, que ocasionalmente ainda regressamos às coisas simples e simplesmente maravilhosas», escreveu Pink sobre a cantora inglesa que no último ano se tornou num dos maiores sucessos de vendas ao mesmo tempo que conquistou também a crítica.

Em relação a Rihanna, a estilista Stella McCartney destacou a generosidade da cantora dos Barbados: «Ela é uma das poucas pessoas do mundo da fama e das celebridades que não pensa apenas nela própria».

O norte-americano Raphael Saadiq foi escolhido para a lista dos «mais influentes» por Elton John por «confirmar que a boa música negra está viva e de boa saúde e que vai mais além da monotonia do hip hop».

A lista das «100 pessoas mais influentes do mundo» é este ano composta por políticos como Barack Obama e Dilma Rousseff, desportistas como Jeremy Lin e Leonel Messi, e atores como Claire Danes e Viola Davis.

Partilhar
FOTOGALERIA:
Rihanna eleita a «mulher mais sexy» do planeta
Adele

Adele nos Grammy Awards 2012 (EPA/Paul Buck) EM CIMA: Adele nos Grammy Awards 2012 (EPA/Paul Buck)

Muse revelam detalhes de novo álbum
Álbum deve sair no próximo verão e ter uma onda «mais pesada»
Justin Bieber ao «soco» com Orlando Bloom
Motivo da discussão estará relacionado com mulheres
24 pessoas morrem esmagadas em concerto de rap na praia
Guiné Conacri decretou uma semana de luto
EM MANCHETE
Mais de dois mil edifícios com amianto
Levantamento feito pelo Governo foi divulgado esta quinta-feira e revela que 16% das construções estão contaminadas. Veja a lista dos ministérios com mais edifícios afetados
Ferreira Leite: Portugal não tem que agradecer «a pipa de massa»
Comissário Europeu: Governo escolheu, mas adiou decisão