logotipo tvi24

Adele e Rihanna na lista das «pessoas mais influentes»

Revista «Time» escolheu as 100 personalidades capazes de mudar o mundo

Por: Redacção / JCS    |   2012-04-20 12:56

Adele, Rihanna e Raphael Saadiq são os músicos que fazem parte da lista anual da «Time», revista que voltou a nomear as «100 pessoas mais influentes do mundo».

«O sucesso [de Adele] renova a minha fé de que o mundo em que vivo tem bom gosto, que ocasionalmente ainda regressamos às coisas simples e simplesmente maravilhosas», escreveu Pink sobre a cantora inglesa que no último ano se tornou num dos maiores sucessos de vendas ao mesmo tempo que conquistou também a crítica.

Em relação a Rihanna, a estilista Stella McCartney destacou a generosidade da cantora dos Barbados: «Ela é uma das poucas pessoas do mundo da fama e das celebridades que não pensa apenas nela própria».

O norte-americano Raphael Saadiq foi escolhido para a lista dos «mais influentes» por Elton John por «confirmar que a boa música negra está viva e de boa saúde e que vai mais além da monotonia do hip hop».

A lista das «100 pessoas mais influentes do mundo» é este ano composta por políticos como Barack Obama e Dilma Rousseff, desportistas como Jeremy Lin e Leonel Messi, e atores como Claire Danes e Viola Davis.

Partilhar
FOTOGALERIA:
Rihanna eleita a «mulher mais sexy» do planeta
Adele

Adele nos Grammy Awards 2012 (EPA/Paul Buck) EM CIMA: Adele nos Grammy Awards 2012 (EPA/Paul Buck)

Ricky Martin estreia tema para o Mundial do Brasil
Cantor porto-riquenho lança videoclipe de «Vida», uma das faixas do álbum oficial do Campeonato do Mundo de Futebol
OliveTreeDance lançam novo álbum com jogo de tabuleiro
«Symbology» é o nome do novo álbum da banda portuguesa
Pharrel Williams volta com «Marilyn Monroe»
Depois de «Happy» cantor volta a surpreender
EM MANCHETE
Queda de muro mata três estudantes
Braga: universitários eram todos caloiros. No momento do acidente, jovens estariam envolvidos numa «guerra de cursos». Feridos já tiveram alta hospitalar
Casas de penhores: Deco levanta dúvidas à atividade
Nove mil enfermeiros abandonaram o país desde 2009