A cantora pop norte-americana Kesha apresentou uma queixa contra o seu produtor Dr. Luke por agressão sexual e assédio moral ao fim de mais de 10 anos, mas este queixa-se de difamação.

A artista, de 27 anos, acusa o produtor, de 41 anos, de seu verdadeiro nome Lukasz Sebastian Gottwald, de a ter «forçado a tomar drogas e álcool para abusar dela sexualmente», segundo o texto da queixa entregue no tribunal superior de Los Angeles a que a agência France Presse teve acesso.

Kesha Rose Serbert afirma que acordou uma manhã nua e com náuseas na cama de Dr. Luke, «sem se lembrar de como lá foi parar», após este a forçar a tomar comprimidos.

A cantora disse que telefonou à mãe para dizer que tinha sido violada e percebeu depois que as pílulas eram de «GHB», um psicotrópico classificado como «droga da violação».

A denúncia refere ainda que Dr Luke ganhou nome a vender droga durante os 10 anos passados como guitarrista na emissão de «Saturday Night Live», antes de se tornar produtor e compositor de grandes estrelas da pop americana como Katy Perry, Rihanna, Pink, Kelly Clarkson ou Britney Spears.