A cantora portuguesa Márcia inicia na sexta-feira em Lisboa uma digressão nacional na qual interpretará na íntegra o novo álbum, "Quarto Crescente", editado em junho.

Márcia Santos inicia a digressão no Teatro Municipal São Luiz, em Lisboa, seguindo depois em outubro para Alcobaça, Porto e Albergaria-a-Velha, em novembro para Leiria e Torres Novas e em dezembro para Coimbra, quase sempre na rede de cine-teatros e auditórios municipais.

Em três meses, as canções do disco foram crescendo ao vivo, por conta de alguns concertos dados durante o verão, mas é agora nesta digressão que serão todas testadas perante o público, como contou à agência Lusa.

"Não sei bem ainda quais são as músicas que comunicam mais com o público. Há umas mais óbvias, mas o disco é denso e precisa de tempo para se entrar nele", disse.


"Quarto Crescente" é o terceiro álbum de originais de Márcia Santos, sucessor de "Casulo" (2013) e "Dá" (2010), aos quais se junta o EP de estreia, homónimo, em 2009.

Produzido pelo brasileiro Dadi Carvalho, o álbum conta com 10 temas escritos por Márcia e um composto por Filipe Monteiro. Do alinhamento fazem parte as músicas "A insatisfação", "Bom destino", "A urgência" ou "Linha de ferro", com a participação do músico brasileiro Criolo.

Num tempo em que a medida de sucesso de um artista inclui não só as vendas de discos, mas também o número de visualizações de vídeos e seguidores nas redes sociais, Márcia sublinhou que o mais importante ainda é saber que o público gosta das canções que escreve.

"Para a indústria isso não conta, mas para um músico sim, saber que uma pessoa se identificou com uma música. A vida não é só números e contas, as pessoas não são números e fico feliz quando recebo essas mensagens. É aí que eu sinto plenitude, quando as músicas dizem alguma coisa a alguém", afirmou.


Márcia Santos diz que passa muito tempo em estúdio, entre gravação e ensaios, mas "o momento de comunicação e comunhão é em palco". "Se gostarem, compram o disco a seguir ao concerto".

Com Márcia Santos, em palco estarão Filipe Monteiro (guitarra e pedal steel), Manuel Dordio (guitarra), David Santos (baixo) e Rui Freire (bateria).