Amnistia Internacional: álbum de Bob Dylan sai em Fevereiro

Canções interpretadas por vários artistas celebram os 50 anos da organização internacional

Por: Redação / AC    |   16 de Janeiro de 2012 às 17:40
Os 50 anos da organização Amnistia Internacional serão assinalados em Fevereiro com a edição do álbum «Chimes of Freedom», que reúne mais de 70 canções de Bob Dylan reinterpretadas por outros artistas, escreve a agência Lusa.

Este álbum de covers, conta com quatro discos e tem data de lançamento no dia 7 de Fevereiro e um dia antes em Portugal.

«Chimes of Freedom: Songs of Bob Dylan Honouring 50 Years of Amnesty International» celebrar o aniversário da Amnistia Internacional e conta com 76 temas de vários artistas diferentes.

Adele, Miley Cyrus, Queens Of The Stone Age, Lenny Kravitz, Joan Baez, Dave Matthews e Ke$ha são alguns dos artistas que fazem parte deste álbum.

O álbum, a editar pela Universal Music, conta também com Ziggy Marley, filho de Bob Marley, a interpretar «Blowin' In The Wind», Seal e Jeff Beck juntos em «Like a Rolling Stone» e Carly Simon em «Just Like a Woman».

Bob Dylan aparece na última faixa a interpretar a sua música original, «Chimes Of Freedom», que dá o título a esta compilação de grandes êxitos do cantor norte-americano.

A diversidade musical dos artistas presentes neste álbum vai ao encontro dos objetivos da Amnistia Internacional em apoiar as várias comunidades e defender os direitos humanos.

Partilhar
FOTOGALERIA:
A estreia de Bob Dylan na China e Vietname

Concerto de Bob Dylan em Ho Chi Minh, no Vietname (EPA) EM CIMA: Concerto de Bob Dylan em Ho Chi Minh, no Vietname (EPA)
COMENTÁRIOS

PUB
Ataque ao parlamento canadiano foi feito por «um terrorista»

«O tiroteio que ocorreu durante a manhã no bloco central do parlamento foi um ataque a todos os canadianos», disse o primeiro-ministro do Canadá, Stephen Harper, na primeira reação ao atentado. O governante sublinhou que o Canadá não vai deixar-se intimidar pelo ataque. Suspeito tinha passaporte apreendido por ser considerado um viajante de «alto risco». Especialista em segurança alerta para a possibilidade de existir agora mais risco de atentados no Ocidente