Depois de anos de uma vida artística marcada pela controvérsia, pela inovação e também pela popularidade, David Bowie despediu-se do mundo, através do seu mais recente álbum, lançado na passada sexta-feira, dia em que completou 69 anos.

Preso a uma cama e a caminho do Paraíso, “look up here, I’m in heaven/I’ve got scars that can’t be seen”, (“Olha para aqui, estou no Paraíso, tenho cicatrizes que não se conseguem ver”), assim começa o videoclip de David Bowie. Uma carta de despedida, segundo confirmou o produtor do músico britânico na sua página do Facebook.

O revolucionário da pop já lutava contra o cancro há 18 meses e durante este tempo pouco se soube da sua condição de saúde. 



He always did what he wanted to do. And he wanted to do it his way and he wanted to do it the best way. His death was...

Publicado por Tony Visconti em  Segunda-feira, 11 de Janeiro de 2016



“Ele fez sempre o que quis. E sempre à sua maneira e da melhor maneira. A sua morte não foi diferente da sua vida - uma obra de arte. Ele criou 'Blackstar' para nós, é a sua prenda de despedida. Eu soube durante anos que seria assim. Contudo não estava preparado. Ele era um homem extraordinário, cheio de amor e vida. Estará para sempre connosco. Por agora, é apropriado chorar”, escreveu Tony Visconti.

Segundo o que o produtor de 'Blackstar' contou ao jornal Telegraph, o álbum foi uma despedida premeditada que David Bowie desenhou com a sua equipa e amigos. O nome da música "Lazarus" é também uma alusão ao milagre de Lázaro, de Betânia, ressuscitado por Jesus ao quarto dia.







Em "Lazarus" surgem dois David Bowie. O primeiro aparece debilitado e a lutar para sair de uma cama, enquanto o segundo surge ativo e a criar livremente. 

'Blackstar' é o 25.º álbum de estúdio de David Bowie, mas é o primeiro que não contém a foto do cantor na capa, mas sim uma estrela preta.

David Bowie lançou o seu último álbum no dia do seu aniversário, 8 de janeiro.

Morreu no domingo, tinha 69 anos.