A cidade norte-americana de Saint Louis e a cena local de blues foi o destino, há 15 anos, do lusodescendente Anthony Gomes, que agora vê o esforço recompensado com concertos com B.B. King, como o próximo em Illinois.

Natural de Toronto, filho de um português e de uma canadiana francófona, Anthony Gomes, de 43 anos, vive há 15 anos em St. Louis (Missouri) para se aperfeiçoar enquanto artista e compositor dos blues: «Se queres jogar futebol vais para a Europa, se queres jogar hóquei no gelo vais para o Canadá, e se queres tocar blues, vais para os Estados Unidos, porque é de lá que vem a música».

Anthony Gomes, que regressou a Toronto para um concerto, precisamente na Dundas Street (numa zona de Toronto conhecida como «Little Portugal»), tem como referências B.B. King, Buddy Guy, Albert King, Ray Charles, Aretha Franklin, Stevie Ray Vaughan, Jimmy Hendrix e Eric Claypton.

No dia 31 de maio, volta a tocar num festival em Rockford, Illinois, com o seu ídolo B.B. King, num sonho mais um vez «tornado realidade».

«Disse-lhe que odeio tocar com ele (B.B. King), porque o público fica a saber onde roubei as ideias, mas ele disse-me para não referir que é roubar, mas sim emprestar», brincou, que aponta a idade como uma virtude para quem toca blues.

«Não podes falar de vida se não a viveres, e os blues falam sobre a vida. E há jovens que o fazem, mas é como outra disciplina, quando tiveres a maturidade suficiente, chegas lá: Eric Claypton tocou os melhores (blues) nos seus 50 anos, B.B. King nos seus 60», disse.

O lusodescendente já atuou em diversos países como França, Bélgica, Noruega, Finlândia e Portugal mas, para já, diz que os projetos para o futuro são «acordar amanhã, apreciar cada dia, balançar o desejo de crescer como artista e ser humano, e tocar ¿blues¿ nos vários pontos do globo».