Prince passou as suas últimas horas de vida sozinho na mansão-estúdio no Paisley Park, no Minnesota. De acordo com o Daily Mail, que cita fonte da polícia, o cantor, de 57 anos, foi encontrado inconsciente no elevador do edifício mais de 13 horas depois de ter sido visto com vida pela última vez.

Segundo as autoridades, o cantor entrou na mansão cerca das 20:00 de quarta-feira e sou foi encontrado na manhã seguinte.

Fontes não identificadas, revelam ainda quando se deslocou à farmácia na quarta-feira, cerca de uma hora antes de entrar na mansão, Prince parecia "frágil e nervoso".

Uma das últimas pessoas a falar com Prince foi Will Smith como o próprio revelou através de um post no Facebook.

Estou incrédulo e devastado. Falei com ele ontem à noite. Hoje, a Jada e eu choramos com todos vocês a perda de um fantástico poeta, uma verdadeira inspiração e um dos maiores artistas que a terra já conheceu", escreveu o ator.

Também a mulher de Will Smith, Jada deixou a sua mensagem de tributo “ao génio” na mesma rede social.

Prince foi um dos primeiros artistas a colocar-me no jogo no que diz respeito à indústria. Ele não era apenas um artista genial, era bondoso, divertido, excêntricamente bonito, curioso, imaginativo, mágico, espiritual, rebelde e extremamente inteligente. Ele mostrou-me desde cedo o poder de viver a vida segundo as nossas próprias regras e não de acordo com as regras dos outros. Não há palavras que descrevam o que todos perdemos hoje”.

Prince Rogers Nelson, nascido a 7 de junho de 1958 em Minneapolis, Minnesota, morreu esta quinta-feira, estúdios do Paisley Park. O cantor, bailarino e compositor norte-americano, que era conhecido apenas pelo seu primeiro nome e foi considerado um ícone na música pop por mais de três décadas, morreu numa altura em que se encontrava em digressão do último álbum, já a gravar o próximo e a escrever um livro de memórias, cujo título provisório era "The Beautiful Ones".