As armas podem não se calar, mas o amor canta mais alto. Céline Dion cantou, em francês, o “Hino ao amor”, de Edith Piaf, no domingo à noite, em homenagem às vítimas dos atentados de Paris de 13 de Novembro.

O palco até era dos American Music Awards, mas, tal como a tragédia da capital francesa espoletou a tristeza e a indignação por todos os continentes, aquele também foi um palco mundo, com a voz de Céline Dion a tocar no coração de todos, uma canção pintada com fotografias do coração da França, Paris, que se erguiam por detrás de si, com o choro dos instrumentos da orquestra.

 

Uma canção de amor cantada por Edith Piaf, o ícone francês, na década de 40  do século passado, em homenagem ao amor da sua vida, morto num acidente. A mesma canção, protagonizada por Céline Dion, a cantora nascida no Canadá, que canta em francês, e que ganhou o festival da Eurovisão nos anos 80. Uma prova de amor a um povo, a um país, a voz do mundo que não se cala contra o terrorismo.

Antes da atuação de Céline Dion, Jared Leto, da banda 30 Seconds to Mars, fez um discurso emocionado sobre a passagem da banda pelo Bataclan.
 
“No início deste ano, a minha banda, 30 seconds to Mars, estava a fazer uma tournée pela Europa e procurava uma boa desculpa para fazer uma paragem numa das nossa cidades favoritas no mundo, Paris. Resolvemos fazer um pequeno concerto num local emblemático, o Bataclan. Foi lindo, pacífico e inesquecível", disse Jared Leto.

"A diferença que um dia faz”.


O Bataclan foi o palco maior do massacre de 13 de novembro em Paris. A maioria das vítimas dos atentados que ocorreram em vários locais de Paris nessa noite concentraram-se na sala de espetáculos que estava cheia, numa sexta-feira à noite, numa sexta-feira negra para a História de França, numa sexta-feira 13. 


“Hymne à L'amour” ou “Hino ao amor”

Le ciel bleu sur nous peut s'effondrer
Et la terre peut bien s'écrouler
Peu m'importe si tu m'aimes
Je me fous du monde entier
Tant qu'l'amour inond'ra mes matins
Tant que mon corps frémira sous tes mains
Peu m'importent les problèmes
Mon amour puisque6 tu m'aimes
J'irais jusqu'au bout du monde
Je me ferais teindre en blonde
Si tu me le demandais
J'irais décrocher la lune
J'irais voler la fortune
Si tu me le demandais
Je renierais ma patrie
Je renierais mes amis
Si tu me le demandais
On peut bien rire de moi
Je ferais n'importe quoi
Si tu me le demandais
Si un jour la vie t'arrache à moi
Si tu meurs que tu sois loin de moi
Peu m'importe si tu m'aimes
Car moi je mourrai aussi
Nous aurons pour nous l'éternité
Dans le bleu de toute l'immensité
Dans le ciel plus de problèmes
Mon amour crois-tu qu'on s'aime
Dieu réunit ceux qui s'aiment