O novo álbum de António Zambujo, “Até pensei que fosse minha”, composto apenas por canções de Chico Buarque, numa homenagem a este autor e cantor brasileiro, é editado no dia 21 de outubro.

“Do álbum fazem parte algumas das canções mais emblemáticas do percurso de Chico Buarque, como ‘Cálice’, ‘Valsinha’, ‘João e Maria’, ‘Tanto Mar’ ou ‘Geni e o Zepelim’”, adianta a discográfica.

Chico Buarque, de 72 anos, gravou com António Zambujo uma versão da canção “Joana Francesa”, mas esta não foi única participação no álbum.

A cantora brasileira Roberta Sá participa no tema “Sem fantasia” e a fadista Carminho gravou com Zambujo “O meu amor”.

Alguns dos temas do novo álbum foram apresentados no 40.º Festival d’Ile-de-France, que decorre na capital francesa até 6 de outubro. Sobre a atuação do cantor natural de Beja, o jornal Le Monde realçou “o requinte, a elegante sensualidade e a grande classe” com que António Zambujo homenageou Chico Buarque.

O álbum foi produzido por Ricardo Cruz e Marcello Gonçalves, sendo este também responsável pela direção musical e arranjos, e a direção de produção ficou a cargo de João Mário Linhares.

Além dos habituais músicos que acompanham o cantor, como Ricardo Cruz (contrabaixo) e Bernardo Couto (guitarra portuguesa), Zambujo conta com as participações do Trio Madeira Brasil, de Marcello Gonçalves, no violão de sete cordas, Sérgio Valdeos e Zé Paulo Becker, no violão, Ronaldo do Bandolim, no bandolim, João Moreira, no trompete, Anat Cohen, no clarinete, Paulino Dias, na percussão e Marcelo Cadi no acordeão, entre outros.

Este é o oitavo álbum de António Zambujo, que editou pela primeira vez em 2002 - "O mesmo fado" - e publicou já um disco gravado ao vivo, no Coliseu dos Recreios de Lisboa.