O músico José Carvalhinho, de 67 anos, morreu hoje em Lisboa, vítima de doença prolongada, disse à agência Lusa o fadista Rui Vaz.

José Carvalhinho, viola de fado, era filho do guitarrista Francisco Carvalhinho e acompanhou diferentes artistas, nomeadamente Fernanda Maria, António Mourão, Vasco Rafael, Fernando Farinha, Florência, Gonçalo Salgueiro, Débora Rodrigues, Maria da Nazaré, Cláudia Leal, Liana e Luís de Matos, entre outros.

O viola foi presença assídua na Grande Noite do Fado de Lisboa, no Coliseu dos Recreios, ao lado do guitarrista Edgar Nogueira, e foi músico residente do programa televisivo "Passeio dos Alegres", apresentado por Júlio Isidro.

Carvalhinho foi diretor de "Amália, o musical", de Filipe la Feria, durante nove anos, e, entre outras casas de fado em Lisboa onde trabalhou, fez parte do elenco do Marquês da Sé, durante dez anos, e nos últimos dois, da casa típica Esquina de Alfama.

Para o fadista Rui Vaz, o músico "era uma referência para as novas gerações de instrumentistas, tanto no fado, como na música erudita".

José Carvalhinho começou a tocar aos 15 anos na casa de fados A Tipóia, em Lisboa, com Casimiro Ramos, e mais tarde, com o seu pai Francisco Carvalhinho (1918-1990).

"José Carvalhinho deixa um estilo peculiar na sua maneira de tocar pela sua técnica e elevado conhecimento musical", disse à Lusa Rui Vaz, que foi acompanhado várias vezes pelo músico e com quem partilhava o projeto musical Alvorada, ao lado de Catia Garcia, que estava em vias de ser editado.

Exéquias

As exéquias do músico José Carvalhinho, falecido em Lisboa, na quarta-feira passada, aos 67 anos, realizam-se esta quinta-feira a partir das 19:00 na igreja de S. José, em Mem Martins, no concelho de Sintra, disse à agência Lusa o músico Rui Vaz.

Na sexta-feira, pelas 15:00, é celebrada missa de corpo presente na igreja de S. José, em Mem Martins, seguindo o funeral para o cemitério do Alto do Chão Frio, em Lourel, também no concelho de Sintra.