Não é exagero dizer-se que a Ferrari seleciona os seus clientes. Prova disso é que a marca italiana recusou-se a vender um LaFerrari Aperta, o que acontece pela segunda vez, a um de seus clientes mais fiéis.

O cliente em questão é David Lee. Dono de uma joalharia e de um grupo de investimentos, o empresário adora exibir os seus bólides no Instagram. A sua coleção é composta por modelos recentes e alguns raros, como o 288 GTO, F40, F50 e Enzo.

A garagem tem ainda espaço para um 250 Lusso Competizione de 1964 e até um monolugar de Fórmula 1 utilizado por Michael Schumacher.

Recentemente, Lee adquiriu um F12tdf e encomendou outros quatro modelos da Ferrari só para tentar ser convidado a comprar um LaFerrari Aperta – sim, apenas clientes autorizados pela própria marca podem adquirir o superdesportivo.

Mas de pouco serviu. Nem o facto de ser um comprador ávido da marca italiano sensibilizou a Ferrari. Aparentemente, a Ferrari não se mostra muito agradada com a “ostentação online” que Lee promove dos seus brinquedos nas redes sociais.

“A marca não gosta da publicidade criada por ele. Eles odeiam qualquer tipo de ruído gerado em torno da marca, e é justamente isso que ele adora fazer”, afirmou fonte ligada ao empresário em declarações ao jornal Los Angeles Times.

Lee já veio a público defender-se: “O meu amor e entusiasmo por partilhar a minha coleção especial com meus seguidores é algo benéfico para o futuro da marca. Não posso fazer nada se os funcionários da Ferrari acham que isso não passa de auto-promoção”.

Este é, de resto, a segunda “nega” que Lee recebe da Ferrari. Antes o empresário já havia tentado comprar um LaFerrari, o modelo “fechado”, e não conseguiu. A solução foi adquirir um exemplar de outro colecionador que ainda nem tinha recebido o seu exemplar.

Ao que parece terá de fazer o mesmo se realmente quiser vir a ter um LaFerrari Aperta na garagem…