É o senhor que se segue na Mercedes-Benz. A gama Classe A é a próxima na linha da renovação do catálogo da marca alemã, depois do Classe S, Classe C e Classe E.

O modelo, de resto, já foi visto em testes, com vista ao lançamento em 2018 (CLA para 2019). Não se esperam alterações profundas, mas antes uma evolução, com a tecnologia a fazer a diferença.

No interior, por exemplo, é de esperar o desaparecimento de vários botões e comandos, substituídos por ecrãs tateis e comandados por voz. A inspiração é óbvia: o novo Classe E.

Do Classe E será também o motor Diesel de 2 litros com 163 e 194cv. Este motor irá substituir o atual 2,1 litros do A200d e A220d, que se junta aos conhecidos 1.5 do 160d e 180d.

A oferta a gasolina também terá novidades, com a estreia de um motor de 1,5 litros a gasolina, com 95 e 122cv, desenvolvido pela Renault, além de um 2 litros com 211cv. Espera-se ainda uma versão híbrida e uma híbrida plug-in (de ligar à tomada). A autonomia em modo elétrico deverá chegar aos 100 km.

Quanto às versões AMG, serão duas: um A40 AMG com 306cv e o A45 AMG com 400cv (mais 20cv que atualmente), o que permitirá, em teoria, baixar o tempo necessário para acelerar de 0 a 100 km/h para menos de quatro segundos.

Esta versão atualizada do motor contará com novos injetores, um turbo modificado e alterações no processo de combustão. A configuração de tração integral 4Matic será para manter.

Sobre a estética, segundo a “AutoBild” alemã o novo "A" será ligeiramente mais comprido, mas mantendo o peso, em virtude da utilização de mais componentes em alumínio. O plano passa por melhorar a habitabilidade e o acesso aos lugares traseiros.