Mais de 1.750 migrantes morreram no Mar Mediterrâneo desde o início de 2015, 30 vezes mais do que no mesmo período de 2014, anunciou esta terça-feira a Organização Internacional das Migrações (OIM).

«A OIM calcula que o balanço de mortes em 2015 é atualmente de mais de 30 vezes o total do ano passado nesta data», afirmou em Genebra o porta-voz da OIM Joel Millman, citado pela agência France Presse.

Entre 1 de janeiro e 21 de abril do ano passado registaram-se 56 mortes de imigrantes no Mediterrâneo, acrescentou.

O naufrágio de um navio de migrantes oriundos de países africanos no sábado fez pelo menos 800 mortos, segundo a ONU, o que contribuiu para que só na última semana tenham morrido cerca de 1600 pessoas, em quatro incidentes separados.

Todos os dias centenas de imigrantes do Norte de África arriscam a vida em busca de uma vida melhor na Europa. Muitos são vítimas de traficantes de seres humanos. 
  
A tragédia já motivou a realização de um Conselho Europeu extraordinário esta quinta-feira, em Bruxelas. A União Europeia anunciou ainda que vão ser implementadas novas medidas para combater as redes criminosas de tráfico de imigrantes. As propostas incluem a destruição dos barcos usados pelos traficantes e um programa que vise o retorno dos migrantes aos seus países de origem.