A curta-metragem "Balada de um batráquio", da realizadora portuguesa Leonor Teles, estreia-se hoje em 14 salas de cinema de todo o país.

Premiada com o Urso de Ouro do festival de Berlim, "Balada de um batráquio" denuncia a existência de sapos de loiça, em espaços comerciais, como forma de afastar a entrada de ciganos. Leonor Teles surge no documentário a entrar em lojas e a partir alguns desses sapos.

Com o filme, Leonor Teles expõe um comportamento xenófobo em relação a pessoas de etnia cigana. O filme "não apresenta só uma problemática mas tenta, de certa forma, combatê-la", contou a realizadora à agência Lusa.

A cineasta, que tem ascendência cigana, já se tinha focado na comunidade cigana no primeiro filme, "Rhoma Acans", e confessou que a impotência sentida a inspirou a desenvolver uma nova abordagem, em "Balada de um Batráquio".

Leonor Teles, que considerou a conquista do Urso de Ouro em fevereiro em Berlim "uma coisa inacreditável", já foi premiada no festival de cinema de Hong Kong e está integrada na competição do festival IndieLisboa, que termina no domingo.

"Balada de um batráquio" é o primeiro filme de Leonor Teles, de 24 anos, fora de um registo académico.