Toda a Europa à procura. O governo catalão acaba de anunciar, citado pela Reuters, que a busca pelo único suspeito dos atentados em Barcelona ainda em fuga, Younes Abouyaaqoub, está alargada a todo o continente europeu.

Os investigadores acreditam que este homem marroquino de 22 anos foi quem atropelou mais de 140 pessoas na passada quinta-feira, nas Ramblas, em Barcelona.

As autoridades acreditam que Abouyaaqoub é o único dos 12 suspeitos ainda em fuga. Agora, oficialmente, já é identificado pelas autoridades como o condutor da carrinha que protagonizou o atentado.

"Este suspeito já não está a ser apenas procurado na Catalunha, mas em todos os países europeus", declarou o Joaquim Forn, que dirige os assuntos internos no governo regional da Catalunha.

O El País teve acesso a fotografias captadas por câmaras que mostram que o suspeito fugiu do local do atentado pelo Mercado da Boquería. Como já passaram quatro dias e ainda não foi encontrado, teme-se que já tenha passado a fronteira de Espanha e até de outros países.

À Rádio da Catalunha, esta segunda-feira, o conselheiro do Interior disse que "esta é uma das linhas de inquérito. É a principal. Tudo aponta para isso". O Governo vai explicá-lo mais detalhadamente ainda hoje, pelas 12:30 locais (11:30 em Lisboa).

A polícia realizou mais buscas, durante a noite, em casas na cidade de Ripoll, onde muitos dos suspeitos viviam, adiantou ainda o conselheiro do Interior.

As autoridades catalãs acreditam ainda que o imã da cidade de Ripoll terá sido quem radicalizou os jovens que cometeram os atentados em Barcelona. Sobre isto, e questionado pelos jornalistas, o governante indicou ainda que o “imã de Ripoll não tinha antecedentes” e que a “comunidade muçulmana não pensava que fosse um radical”.

Espanha foi alvo de dois ataques terroristas na região da Catalunha, em Barcelona, na quinta-feira, e em Cambrils, na madrugada de sexta-feira, que fizeram um total de 14 mortos e 135 feridos, com a utilização de viaturas que atropelaram pessoas indiscriminadamente.