O chefe da diplomacia polaca, Witold Waszczykowski, considerou esta sexta-feira a Federação Russa uma ameaça maior para a Europa do que a representada pelo grupo que se designa por Estado Islâmico, que é “muito séria”, mas “não existencial”.

Durante um debate sobre o futuro da NATO, na conferência anual sobre segurança GlobSec, que abriu hoje na capital eslovaca, Waszczykowski afirmou: “É evidente que a atividade da Rússia é uma espécie de ameaça existencial, porque essa atividade pode destruir países”.

O ministro polaco acrescentou que há “também ameaças não existenciais, como o terrorismo, como as grandes vagas de migrantes”.