O presidente da Rússia, Vladimir Putin, aconselhou o governo da Ucrânia a autorizar que os soldados presos na cidade de Debaltseve se rendam, para que possam regressar para as suas famílias.

A cidade do leste ucraniano foi tomada pelos separatistas pró-russos esta terça-feira e estima-se que cerca de 5000 soldados ucranianos estejam «presos» dentro do território, sendo que várias centenas já terão sido levados como prisioneiros de guerra.

«Espero que o [Governo] ucraniano não detenha as suas tropas de baixar as armas. Se não forem capazes de tomar essa decisão e dar essa ordem, espero que não culpem as pessoas que queiram salvar as suas vidas e as de outros».


Putin diz estar confiante que os rebeldes vão libertar os ucranianos assim que se rendam, para que possam regressar para as suas famílias.

Os rebeldes que hoje conquistaram a cidade de Debaltseve dizem que esta não é uma violação do cessar-fogo acordado na semana passada em Minsk, entre a Ucrânia, os separatistas e a Rússia, porque Debaltseve fica entre dois territórios já controlados pelos separatistas.

O líder dos rebeldes, Eduard Basurin, diz que uma «limpeza» da cidade já está em curso.

«Oitenta por cento de Debaltsebe já é nossa. Uma limpeza da cidade já está em curso», disse Eduard Basurin.

Basurin disse que as negociações para a rendição dos 5000 soldados já começaram, e que as «centenas» de capturados serão eventualmente «devolvidos» às suas famílias.

VEJA TAMBÉM: guerra na Ucrânia obriga equipa do Shaktar Donetsk a jogar fora na Liga dos Campeões