O ex-primeiro-ministro da Moldávia foi detido na quinta-feira em pleno Parlamento, na sequência do escândalo de corrupção que fez desaparecer dos cofres do país mil milhões de dólares (880 milhões de euros) e que é já considerado a "fraude do século".

Vlad Filat, que é  líder do Partido Liberal Democrático, da coligação no Governo, é suspeito da apropriação indevida de 250 milhões de dólares (220 milhões de euros) dos 880 que desapareceram e que mergulharam o país mais pobre da Europa numa crise financeira ainda maior.

Levantada a imunidade parlamentar, o antigo governante, que chefiou o Governo entre 2009 e 2013, pode ficar detido sem acusação formalizada nas próximas 72 horas. 


Em abril passado, o Banco Central da Moldávia descobriu que três bancos nacionais concederam empréstimos no valor de 880 milhões de euros a beneficiários não identificados, o equivalente a cerca de 10% do PIB, e que resultaram na queda da moeda nacional, o Leu.

O desaparecimento do dinheiro originou uma onda de indignação no país, com milhares de manifestantes a exigirem a demissão dos envolvidos em protestos realizados na capital Chisinau.