Os milicianos xiitas huties que controlam a capital do Iémen dispersaram esta quarta-feira violentamente milhares de manifestantes que saíram à rua em apoio do Presidente Abd Rabbo Mansour Hadi, refugiado em Aden (sul), indicaram os organizadores.

O protesto decorreu no centro de Sanaa, com a palavra de ordem central «Huties, rua» ecoada pelos manifestantes, e antes de os milicianos xiitas terem disparado para o ar e depois atacado os participantes com bastões e facas, provocando pelo menos dois feridos e 15 detidos levados para «destino desconhecido», segundo os opositores.

«Sim à autoridade legítima» de Hadi, «Não ao golpe de Estado», foram outras frases gritadas pelos manifestantes, convocados por grupos da juventude do Movimento da recusa, recentemente formado para contestar o poder dos huties.

No verão de 2014, os huties deixaram o seu bastião de Saada (norte do Iémen) para iniciar uma marcha em direção a Sanaa, onde entraram em setembro. No final de janeiro reforçaram a sua presença na capital ao apoderarem-se do palácio presidencial e forçando a demissão de Hadi e do seu primeiro-ministro. De seguida, nomearam um «conselho presidencial».

Considerado pela comunidade internacional «Presidente legítimo do Iémen», Hadi conseguiu escapar para Aden em fevereiro, onde renunciou à sua demissão e passou a contestar a autoridade dos huties.

O enviado da ONU para o Iémen, Jamal Benomar, deslocou-se esta quarta-feira de novo a Aden, onde se reuniu com Hadi, no âmbito dos esforços diplomáticos para convencer as partes iemenitas a retomarem o diálogo.