A Amnistia Internacional (AI) exigiu na terça-feira que a ONU investigue a violação de uma menor e o assassínio “indiscriminado” de uma jovem e do seu pai alegadamente por capacetes azuis destacados na República Centro Africana.

Os incidentes ocorreram a 02 e 03 de agosto quando membros ruandeses e camaroneses da Missão da ONU para a República Centro Africano (MINUSCA) desenvolveram uma operação no distrito de Bangui, maioritariamente muçulmano, informou em comunicado a AI.

“As nossas provas sugerem que um capacete azul da ONU violou uma menor de 12 anos e que forças da ONU mataram indiscriminadamente dois civis”, disse.