Depois de mais de mês e meio de caos por causa dos erros do site da reforma da saúde nos EUA, Barack Obama cedeu à pressão do seu partido e vai atrasar em mais de um ano a legislação chave da sua presidência.

«Fizemos um remendo na aplicação reforma da saúde. Entendo por que as pessoas estão frustradas. Eu também estaria», afirmou Obama em conferência de imprensa, citado pelo «El País».

O site iria permitir comparar e comprar mais facilmente seguros médicos mais amplos e a melhores preços. No entanto, não está a funcionar corretamente na maioria dos EUA.

De acordo com a Administração, só 26.794 pessoas conseguiram fazer novas apólices através do site HealthCare.gov.

O sistema regional dos Estados, que está a funcionar melhor, tem 79.391 novos assegurados.

No entanto, os números estão muito abaixo das expectativas de um país onde 48 milhões de pessoas não têm seguro médico, ou seja, mais de 15% da população.

Obama prometeu que nas próximas semanas, o site estará a funcionar normalmente, mas reconhece que os arranjos vão ser feitos mais tarde.

«Devíamos tê-lo feito melhor desde o primeiro dia. Não no dia 28. Ou no dia 40», afirmou Obama, acrescentando não saber que a «maldita» web não estava preparada, mas assumiu a responsabilidade dos seus erros.