O tiroteio na base militar de Fort Hood, uma das maiores dos Estados Unidos, provocou quatro mortos, incluindo o atirador, e 16 feridos, segundo dados do comandante da base norte-americana.

Obama «desolado» com mais um tiroteio em base militar

«Não há indicações de que o incidente esteja relacionado com terrorismo, apesar de não descartarmos nenhuma possibilidade», afirmou o tenente-general, Mark Milley, em conferência de imprensa, a partir da base de Fort Hood, localizada no estado do Texas.

Novo tiroteio, quatro anos depois

O atirador, que matou três militares norte-americanos antes de se suicidar, é um soldado que esteve destacado durante quatro meses no Iraque, em 2011, e que sofria de «distúrbios mentais», incluindo depressão.

Fort Hood já tinha sido palco de um tiroteio há quatro anos, quando Nisal Hadan, ex-militar e psiquiatra, matou 13 pessoas e feriu 30, naquele que é o mais mortífero massacre de sempre numa base militar norte-americana.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, comentou o tiroteio de Fort Hood recordando a repetição da tragédia. «Parte-nos o coração que algo como isto tenha voltado a acontecer.»

Em Fort Hood os pensamentos viram-se para as vítimas e as suas famílias.