No dia em que faz três semanas que desapareceu o Boeing 777 das linhas aéreas da Malásia com 239 pessoas a bordo, os familiares dos passageiros chineses ainda acreditam que possa haver sobreviventes

Desde 8 de março que a pergunta é sempre a mesma: onde está o Boeing 777 das linhas aéreas da malásia que deveria ter feito a ligação Kuala Lumpur - Pequim?

Vinte e um dias depois, o mistério continua. Ao serviço de buscas alucinantes estão satélites, aviões, helicópteros e navios de vários países. Há muitas pistas a seguir, muitos destroços a flutuar, mas do avião nem sinal.

O ministro dos Transportes da Malásia levou a mulher e dois filhos para um encontro com familiares dos passageiros do avião desaparecido. A saída, Hishammuddin Hussein revelou que as famílias ainda têm esperança.

Neste sábado, novos objetos foram avistados por cinco aviões. Objetos de diversas cores, frente ao litoral da cidade de Perth, no oeste da Austrália. As autoridades australianas, que coordenam as operações, mudaram as buscas para 1.100 quilómetros a norte do local onde surgiram os primeiros destroços.