Curt von Badinski tem 42 anos, é engenheiro mecânico e fundador de uma empresa de tecnologia, a Motiv, com sede em São Francisco, nos Estados Unidos. Mas Curt vive em Los Angeles, com a família, a quase 700 quilómetros do local de trabalho. Todos os dias, cinco dias por semana, Curt passa seis horas em transportes para se deslocar de casa para o trabalho e do trabalho para casa. 

Ele vai de carro, numa viagem de cerca de 20 minutos de casa até ao aeroporto. Aí, apanha um avião e voa durante cerca de uma hora e meia até Oakland. Começa então mais uma viagem num carro que Curt mantém no aeroporto, para se deslocar até à sede da empresa, em São Francisco. Mais cerca de uma hora de carro até chegar ao trabalho. 

De acordo com a BBC, o engenheiro diz que aproveita a viagem de avião para adiantar trabalho, sem as interrupções próprias de um escritório movimentado. Mas o oficial dia de trabalho começa no escritório e dura mais de nove horas. Cerca das 17:00, inicia a viagem de regresso a casa. Primeiro, de carro, durante mais de uma hora de trânsito infernal. O voo de regresso a casa é às 19:15, para voltar a estar com a família pelas 21:00. 

Por ser um caso especial, Badinski tem regalias na companhia aérea californiana que usa, a Surf Air. O engenheiro, que paga 2.300 dólares (cerca de dois mil euros) por mês para ter voos ilimitados, pode embarcar sem passar pelo terminal principal e pelos procedimentos de segurança, por exemplo.

Para Badinski, o sacrifício vale a pena. São essas horas de viagem são o que lhe permitem estar perto da família e servem para conciliar tudo o que quer.

Quero ter tempo e certificar-me que estou a fazer tudo aquilo que for preciso para satisfazer as necessidades da minha empresa. Mas também quero ser capaz de apoiar a minha família, em Los Angeles. Infelizmente, a situação é de tal forma que não posso desenraizar a minha família e levá-la-la para São Francisco. Também não posso mudar a empresa para LA, portanto, tenho de me certificar que consigo conciliar ambas as coisas”, explicou o engenheiro à BBC.

 

E não se pense que lhe falta a energia para começar o dia seguinte: “Estou sempre excitado para começar o dia"