O Papa Francisco descreveu esta sexta-feira como “vergonha” as “imagens de devastação, destruição e naufrágio que se tornaram normais” no mundo, depois de presidir ao ritual da Via Sacra no Coliseu de Roma.

Cristo, o nosso único salvador, regressamos a ti também este ano com o olhar baixo de vergonha e o coração cheio de esperança. Vergonha por todas as imagens de devastação, de destruição e de naufrágio que se tornaram normais na nossa vida”, disse Francisco.

O Papa recordou “o sangue inocente, diariamente derramado, de mulheres, crianças, migrantes e pessoas perseguidas pela cor da sua pele, a sua etnia ou estrato social e pela sua fé” em Cristo.

O Papa, envergando um longo casaco branco, chefiou o ritual pascal da Via Sacra, que marca a Sexta-Feira Santa.

Milhares de crentes enfrentaram excecionais medidas de segurança à medida que chegavam ao Coliseu de Roma.

Freiras, turistas e romanos acenderam velas e alguns pais pegavam nos filhos às cavalitas para que pudessem ver o Papa, enquanto este ouvia leituras em voz alta sobre como Jesus sofreu antes de ser crucificado.

Esta foi a primeira Sexta-Feira Santa desde os ataques com camiões em Nice, Berlim, Londres e Estocolmo, que aumentaram o receio na Europa em relação a grandes ajuntamentos de pessoas.

As ruas nas imediações do Coliseu foram encerradas ao trânsito. Veículos armados bloquearam cruzamentos, cães pisteiros estiveram na rua em força e os agentes da polícia eram em maior número do que é habitual.