O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou na quarta-feira que "não têm futuro" os mecanismos que a oposição pretende usar para derrubar o seu Governo e convocar eleições ainda este ano.

Nenhuma das opções e ações anunciadas pela direita, a oligarquia e o golpismo tem viabilidade política ou futuro no nosso país. Aqui, a revolução bolivariana vai continuar a governar. (…) Digo-o com clareza constitucional”, afirmou Maduro, durante um ato oficial.

Entre as opções que estão a ser analisadas pela oposição para derrubar o Governo figura a aprovação de uma emenda constitucional que encurte o mandato presidencial de seis para quatro anos, o início do processo para convocar um referendo revogatório ou pressionar a renúncia do Presidente.

A oposição controla neste momento o parlamento, onde tem maioria absoluta.

Para o líder venezuelano, "as loucuras tiradas da manga pela direta venezuelana" "não têm viabilidade política, geopolítica, constitucional".

EUA estão "desesperados" por golpe de estado na Venezuela

O Presidente venezuelano acusou ainda os EUA de estarem "desesperados" para avançar com um golpe de Estado contra o seu Governo e de usarem a imprensa norte-americana para apelar a uma intervenção estrangeira na Venezuela.

"Que razões tem este império decadente e imoral para que um dos jornais que sempre tem servido como impulsionador de golpes de Estado hoje apele a uma intervenção na Venezuela?", disse Maduro em Caracas, na quarta-feira, nas cerimónias de celebração do Dia Nacional da Milícia Bolivariana, numa referência ao editorial de quarta-feira do The Washington Post, que insistia na necessidade de uma intervenção política estrangeira na Venezuela.

"Condeno e refuto todas as ameaças que se fazem desde Washington contra a Venezuela", frisou.