O Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, denunciou no domingo ter sido, no primeiro ano de mandato, vítima de todas as formas de golpe de Estado usadas contra o seu antecessor, Hugo Chávez.

«A oligarquia não respeita o poder soberano do povo, expresso através do voto, e começou a conspirar contra o comandante, fizeram-lhe boa parte do que agora fazem contra mim», afirmou.

Nicolás Maduro falava em Caracas para milhares de apoiantes, durante um ato que assinalou o 12.º aniversário de 13 de abril de 2002, dia em que regressou ao poder do qual foi afastado dois dias antes por um golpe de Estado.

O chefe de Estado explicou que durante o seu primeiro ano de mandado «essa mesma oligarquia, lançou uma guerra económica contínua e permanente, contrabando, inflação induzida, açambarcamento, sabotagem económica, guerra elétrica, guerra psicológica e agora 'guarimbas' [barricadas e vandalismo] fascistas».

«Num ano aplicaram-me todas as formas golpistas e de sabotagem que aplicaram ao comandante Chávez em 14 anos» de Governo, assinalou.