"Estamos preocupados porque não sabemos onde está, nem em que estado está. A última vez que falei com ele foi na segunda-feira. Ele estava ferido e disse-me que estavam à espera de um 'assalto' da Guarda Nacional (polícia militar)", disse a irmã do luso-venezuelano à Agência Lusa.

Ana Maria da Costa questionou a falta de informação sobre o seu irmão e também sobre o que acontece no interior do cárcere, vincando que a imprensa venezuelana "não diz nada".