Um deputado egípcio está a ser alvo de contestação, após ter sugerido que as mulheres deviam fazer testes de virgindade antes de entrarem na universidade. 

Elhamy Agina justificou esta posição, numa revista, com a necessidade de acabar com uma espécie de casamentos informais e não registados, segundo a AFP.

Mas, a contestação às suas palavras não se fez esperar, pelo que esta sexta-feira, o parlamentar veio emendar a mão e dizer que as suas palavras foram distorcidas, de acordo com a AFP.  Antes de dizer que não ia falar com a comunicação social, ainda fez, mais uma vez, a sua defesa. Na verdade, não seria o governo a perguntar às jovens se são virgens, mas os hospitais universitários conduziriam os testes, explicou.Tudo no campo das sugestões, claro. 

Não é a primeira vez que as palavras de Elhamy Agina se tornam polémicas. O deputado já tinha defendido a mutilação genital feminina.