O consumo de paracetamol por um longo período de tempo durante a gravidez pode provocar problemas reprodutivos nos bebés do sexo masculino, nomeadamente a diminuição da produção de testosterona. Esta é a conclusão de um estudo realizado por investigadores da Universidade de Edimburgo, Escócia, publicado na revista científica "Science Translational Medicine". 

Os cientistas fizeram o teste em ratos de laboratório que carregavam tecido testicular humano. Os animais receberam três doses de paracetamol, ao longo de 24 horas, durante sete dias. Ao fim de uma semana, a quantidade de testosterona produzida diminuiu 45%. 

Embora o paracetamol seja considerado o analgésico mais seguro para as grávidas, o estudo demonstra que o consumo excessivo pode reduzir os níveis de testosterona e, consequentemente, aumentar o risco de infertilidade, de cancro nos testículos e testículos contraídos. 

Por isso, os especialistas sublinham que as grávidas que precisam de tomar analgésicos por um longo período de tempo devem consultar o médico e seguir as recomendações da Direção-Geral da Saúde.

"Os resultados deste estudo enviam-nos uma mensagem clara: as grávidas não devem prolongar o uso de paracetamol durante o período de gestação, tomando apenas quando é necessário", aconselhou Martin Ward-Patt, médico do Colégio Real de Pediatras e Clínica Infantil.