A ação do grupo radical Boko Haram impede mais de um milhão de crianças de ir à escola, refere a Unicef, sublinhando que a falta de educação vai alimentar ainda mais o radicalismo na Nigéria e nos países vizinhos.

Mais de 2.000 escolas estão fechadas na Nigéria, Camarões, Chade e Níger – os quatro países mais afetados pelos ataques do grupo – e centenas de outros estabelecimentos foram atacados, pilhados ou incendiados pelos ‘jihadistas’, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

O Presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, tinha dado ao exército, um prazo até ao final do ano para vencer o grupo islamita.

Em novembro deste ano, de acordo com o Índice Global de Terrorismo (Global Terrorism Index, GTI), elaborado pelo Instituto para a Economia e Paz (IEP), os números revelaram que este grupo terrorista mata mais que o Estado Islâmico.