As autoridades da região semi-autónoma de Puntland, no norte da Somália, anunciaram esta terça-feira que detiveram um francês e um britânico por alegada espionagem.

«Detivemos uma rede de espiões que entraram no país disfarçados de funcionários de uma organização não-governamental», disse aos jornalistas o ministro da Segurança de Puntland, Kalif Ise Mudan.

O governante explicou que os dois detidos estavam a ser vigiados «há muito tempo» e foram apanhados «a fazer algo de diferente do que alegavam estar a fazer», ao indicar que estão detidos em Garowe, a principal cidade de Puntland.

Fonte próxima do caso, citada pela agência AFP, indicou que os indivíduos em causa trabalhavam para uma consultora de segurança, a Oversight International.

Declarações do Governo de Puntland, citadas pelo portal de notícias Garoweonline, referem que os indivíduos detidos estavam «ilegalmente a recolher informação secreta sobre instituições públicas e privadas em Puntland» e a «partilhar essa informação com entidades estrangeiras».

Dois funcionários locais também foram detidos, segundo o mesmo portal.