O risco de morte prematura por causa do tabagismo é mais grave do que se pensava, tanto para quem fuma pouco como para quem fuma muito, concluiu um estudo australiano, divulgado esta sexta-feira pela imprensa local.

A investigação da Universidade Nacional Australiana analisou os casos de 200 mil pessoas num período de quatro anos e observou que os fumadores têm uma probabilidade três vezes maior de morrer do que aqueles que nunca fumaram.

«Descobrimos que as pessoas que atualmente fumam têm três vezes mais de probabilidade de morrer do que as pessoas que nunca fumaram e que a sua esperança de vida num período de quatro anos diminui numa década em comparação com aqueles que nunca fumaram», revelou a responsável pelo estudo, Emily Banks.