O Presidente alemão, Joachim Gauck, disse esta sexta-feira que o falecido ex-Presidente sul-africano Nelson Mandela representava «a reconciliação e a justiça».

«Como grande homem de Estado, encarnava, como poucos, na sua personalidade a reconciliação, a paz e a justiça», disse Joachim Gauck numa mensagem de condolências para a viúva de Mandela, Graça Machel.

Nelson Mandela, segundo Gauck, foi um exemplo vivo de como é possível superar o ódio, a violência e o racismo.

A chanceler alemã, Angela Merkel, por sua vez, recordou o antigo ex-Presidente sul-africano Nelson Mandela como um «exemplo para o mundo inteiro» e destacou que os anos de prisão não o fizeram desviar-se da mensagem pela reconciliação.

«Os muitos anos que passou na prisão não dobraram Nelson Mandela. Da sua mensagem para a reconciliação surgiu uma África do Sul nova e melhor», afirmou Merkel, num comunicado difundido pela chancelaria alemã.

«O exemplo de Nelson Mandela e o seu legado político a favor da liberdade e contra a violência, assim como o seu repúdio de qualquer tipo de racismo permanecem como uma inspiração para o mundo inteiro e por muito tempo», acrescenta o comunicado.

A morte de Nelson Mandela, na quinta-feira, aos 95 anos, foi anunciada pelo Presidente da República da África do Sul, numa comunicação televisiva.

Líder da luta contra o «apartheid», Nelson Mandela foi o primeiro Presidente negro da África do Sul, entre 1994 e 1999.