O presidente deposto do Egito, o islamita Mohamed Morsi, que foi acusado de assassinato e outros crimes, deverá ser transferido para a mesma prisão no Cairo onde está detido o antigo líder Hosni Mubarak.



O ministro Mohamed Ibrahim referiu, ainda, que os protestos da Irmandade Muçulmana devem terminar «em breve», com base numa decisão do Ministério Público, que examinou queixas de vários cidadãos sobre o bloqueio de várias estradas no Cairo.

O governante acusou ainda os apoiantes de Morsi de exagerarem no número de mortos nos confrontos da última sexta-feira, explicando que a polícia usou gás lacrimogéneo para dispersar os manifestantes numa ponte que já ameaçava ruir. Assegurou também que as autoridades não usaram munição real, mas alguns agentes foram atingidos por tiros vindos do lado dos manifestantes.



A decisão sobre onde vai ficar preso Morsi deverá ser tomada em breve pelo juiz encarregue pelo caso. Quando pressionado pelos jornalistas para avançar para onde o presidente deposto pode ser levado acabou por admitir que «provavelmente será levado para Torah, uma prisão que fica nos arredores do Cairo e onde estão presos não só Mubarak, mas também os seus filhos e elementos do executivo do ex-presidente.