A polícia chinesa deteve nove pessoas alegadamente responsáveis pela explosão de oleoduto na cidade costeira de Qingdao, este do país, que provocou a morte a 55 pessoas, nove desparecidos e cerca de 145 feridos.

De acordo com o diário «South China Morning Post», que se publica em Hong Kong, sete das nove pessoas detidas estão ligadas à Sinopec, a companhia proprietária do oleoduto e a maior empresa petrolífera da China.

Os outros dois detidos estão vinculados à zona de desenvolvimento económico de Qingdao onde ocorreu a catástrofe.