Os trabalhadores do metro de São Paulo decidiram suspender, esta noite, a greve até quarta-feira, mantendo, porém, a ameaça de paralisação durante o Mundial de futebol.

A decisão dos trabalhadores, tomada em assembleia-geral na noite de segunda-feira, surge depois de o Tribunal Regional do Trabalho ter considerado abusiva a paralisação que gerou o caos naquela cidade brasileira de 20 milhões de habitantes.

Os trabalhadores do metro de São Paulo vão, no entanto, voltar a reunir-se para reavaliar se retomam a greve, estando convocada nova assembleia-geral para quarta-feira, dia 11, ou seja, para a véspera do Brasil-Croácia, a partida inaugural do Mundial de futebol.

Trabalhadores Sem Teto anunciam fim dos protestos

O Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), que nas últimas semanas convocou manifestações em São Paulo, também anunciou, esta segunda-feira, o fim dos protestos contra o Mundial de futebol, depois de o Governo brasileiro ter cedido a algumas das reivindicações.

O anúncio foi feito pelo coordenador do movimento, Guilherme Boulos, em conferência de imprensa, durante a qual revelou o entendimento a que o MTST chegou com o governo e o fim da jornada de manifestações em São Paulo durante o Mundial.

Segundo garantiu o mesmo responsável, citado pela imprensa brasileira, não haverá protestos contra o Mundial, mas manifestações pela votação do Plano Diretor, que irá estabelecer novas regras para a construção na cidade com 20 milhões de habitantes.